terça-feira, 17 de abril de 2012

RAY HARRYHAUSEN - O Artesão dos Efeitos Especiais



Ray Harryhausen pode não ser muito conhecido publicamente, mas para diretores, artistas de efeitos especiais, admiradores e fãs é muito bem conhecido e respeitado como o criador de um gênero de ficção e fantasia no cinema que usou uma técnica que hoje é vista como ultrapassada, a arte da animação stop motion.
Ele levou seu nome pela sua dedicação e empenho no desenvolvimento dessa arte em filmes com historias fantásticas, 

E com suas habilidosas mãos, este artesão deu forma a figuras inesquecíveis dos rumores do desconhecido, onde criaturas de mitos, lendas e sonhos residem em cada um de nós.
E levou o publico do mundo aos cinemas nas décadas de 1950, 60 e ate o final dos anos 70 para ver a magia de seus filmes.
Essas criaturas dominaram as crianças por meio século, assombrando suas memórias quando adultos, e influenciou gerações de artistas de efeitos especiais.
Ray Harryhausen é como todas as suas criações, um personagem lendário

Raymond Frederick Harryhausen nasceu em 29 de junho de 1920 em Los Angeles, Califórnia, EUA.
Ele tinha uma paixão que nunca diminuiu por dinossauros e a fantasia.
Seus pais Fred e Martha o incentivaram a buscar o que ele queria, mesmo que a carreira escolhida não fosse o que provavelmente teria considerado normal. 
Ray comentou: "Minha obsessão com a fantasia tem ao longo da vida crescido, durante meus anos de formação foi se elevando a novos patamares, romances, pinturas e filmes, e sempre fui incentivado pelos meus pais. Eles alimentaram essa paixão incomum em mim, me levando para o cinema e ao teatro, e posteriormente entusiasmados com as minhas experiências com marionetes, modelos e animação, eventualmente, até mesmo ajudando-me com as produções. Eles nunca tentaram me desencorajar de forma alguma da minha obsessão, e poderiam facilmente ter dito: ' Vá estudar e ser um médico um advogado ou seguir alguma outra profissão que vai lhe dar dinheiro ". Felizmente, eles nunca disseram isso ".
Seus programas favoritos quando criança foram museus, espetáculos de marionetes, ir a praia ver o mar, parques e cinemas.
E foi enquanto aprendia gramática na escola que ele aprendeu a fazer peças em miniatura. Isso o levou para a próxima fase em que ele começou a fazer figuras tridimensionais e define que, naturalmente, o levou a fazer suas próprias versões de criaturas pré-históricas. 
Ele descobriu a Los Angeles County Museum of Art (LACMA), onde ele ficou maravilhado com os murais de criaturas pré-históricas criado por Charles R. Knight (1874-1953), e particularmente a do La Brea Tar Pits que ainda está no local. 
A visualização de Knight de como os Dinossauros se pareciam se tornou a visão que Ray utilizou ao longo de sua carreira. 
Quando tinha dezoito anos de idade Ray entrou em uma competição chamada The Junior Museu Hobby Show no Museu do Condado em março / abril de 1938, apresentando um diorama que incluía seu Estegossauro (com base em pinturas de Knight), que ganhou o primeiro prêmio. 

O Mundo Perdido (1925)


Seus pais o levaram para ver O Mundo Perdido em algum momento de 1925, quando ele tinha apenas cinco anos de idade e testemunhou o que parecia ser dinossauros vivos. Foi uma revelação. Sua cena favorita foi de uma luta entre um Alossauro e um Brontossauro onde o último cai para fora da borda do planalto num lago de lama. 

 

 

King Kong (1933)


Oito anos depois, em 1933, Ray iria ver um outro filme que não só o inspiraria, mas mudaria a sua vida. O filme foi King Kong
Quando deixou o cinema Ray falou sobre o que tinha visto todo o caminho. E rápido, perguntas logo vieram, mas a maioria das quais os pais não tinham respostas, Ray teve que procurar outro lugar para respostas. Ele queria saber sobre as criaturas e como elas haviam sido trazidas para a vida. Ele sabia que não eram reais, mas como eles foram capazes de se mover?
 

Marionetes


E o jovem Ray começou a recriar as imagens que viu em King Kong usando marionetes ou fantoches. 
Seus primeiros testes eram inevitavelmente King Kong, um Tiranossauro Rex, um Estegossauro, um Brontossauro e um Pterodátilo, que ele viu todos no filme. Por um tempo, ele concentrou-se na concepção e produção de espetáculos de marionetes diversos, incluindo uma versão curta de Kong, mas ele sabia que não eram marionetes as respostas. E outra vez veio à pergunta, "Como eles foram capazes de se mover" no filme? 
 

Aprendendo sobre animação


Ele procurou por todo lugar para tentar descobrir como King Kong parecia estar 'vivo' e se deparou com alguns artigos, alguns dos quais se mostraram imprecisos e de alguma forma ele sabia isso de imediato.
Eventualmente, ele descobriu artigos que incluíam informações sobre algo chamado de animação stop motion.
Simultaneamente, ele visitou uma exposição no Los Angeles County Museum que apresentou as técnicas utilizadas para fazer "O Mundo Perdido e King Kong, o que lhe permitiu juntar todos os pedaços. 

Ray lembra: "Enquanto eu continuei a estudar e aprender como os efeitos de King Kong foram alcançados, eu percebi que isso era algo que eu realmente queria experimentar por mim mesmo e talvez até fazer parte, então eu comecei a construir minhas próprias miniaturas, dioramas e modelos brutos, que me levaram a dar o passo e começar a fazer móveis figuras maiores.
  

 

Os primeiros experimentos


Suas primeiras tentativas foram, naturalmente, os Dinossauros e incluiu um urso das cavernas, um Brontossauro e um Estegossauro. 
Para começar, ele usou armaduras de madeira, mas eles realmente não se seguravam na pose. 
Ele pegou emprestada uma câmera 16mm Victor e começou a filmar curtas-metragens experimentais com estes modelos de madeira articulada. A câmera  Victor não tinha mecanismo de um quadro e por isso ele tocava suavemente no botão para obter uma exposição de quadros. Isso nem sempre dava-lhe o quadro que ele queria.
Seu primeiro estúdio foi o jardim de seu pai, mas ele logo percebeu que embora houvesse muita luz, ela mudava. Quando a filmagem de teste terminou e ele voltou do laboratório, Ray percebeu que o sol tinha se movido e causou as sombras, durante a sua animação cuidadosa, e se tornou também animado. Então ele se mudou para garagem de seu pai. Isso foi muito mais prático, embora seu pai tivesse que estacionar o seu carro na garagem. 
Preparação de luzes e comprar uma câmera boa (a Kodak Cine II), que possuía um eixo de um quadro, lhe permitiu fazer uma animação mais suave.
Ray começou a fazer uma série de filmes experimentais que passaram a ilustrar o que ele poderia ser capaz de fazer como animador. 

 

 

Ray Bradbury e Forry Ackerman

 

 


Foi nessa época que ele conheceu duas pessoas que se tornariam ao longo da vida, amigos íntimos. O primeiro foi Forrest J. Ackerman (1916-2008), ou Forry como era chamado por seus amigos, a quem conheceu Ray quando ele pegou emprestado algumas fotos do King Kong . Forry passaria a ser um colecionador de memorabília de cinema respeitado e publicou a revista Famous Monsters of Filmland . O outro amigo iria se tornar um autor famoso do mundo e roteirista, Ray Bradbury (1920 -).'Ray e eu logo descobrimos que tínhamos muito em comum, mas foi a nossa tenacidade mútua na busca de nossa carreira escolhida, ele com a suas experiências em animação e fotografia e eu com minhas escritas que nos unem ". 

Evolução do Mundo (1938-1940)

 

 Em 1938, quando Ray tinha apenas 18 anos de idade ele começou o seu mais ambicioso projeto chamado Evolution of the World , em que ele planejou visualizar a alvorada do planeta até o fim da era dos dinossauros. 
Ele projetou e construiu uma série de modelos, incluindo um Tiranossauro Rex, um Triceratops, um Brontossauro e um Pterodátilo e começou a experimentar com Mates (um processo que permitiu que as imagens de ação ao vivo ou não, pudessem ser integrados com outra imagem). Em uma seqüência que ele tinha um Brontossauro emergindo da água em terra seca que ele usou uma máscara.
Infelizmente o projeto era muito ambicioso e, quando Ray viu o "Rites of Spring" seqüência do filme de Walt Disney's Fantasia de 1940, ele sabia que o projeto estava condenado. 

Willis O'Brien (1886 - 1962)


Foi durante o trabalho de Ray em evolução que ele conheceu o homem que havia criado os dinossauros e os tinha animado em O Mundo Perdido e King Kong. Seu nome era Willis O'Brien . 
Ele procurou O'Brien nos estúdios da MGM, onde o animador mestre estava trabalhando em um projeto chamado " War Eagles . e levando alguns de seus próprios modelos, Ray fez o seu caminho para o estúdio e foi mostrar no escritório da produção de War Eagles
E Ray conta a historia "Eu entrei e meu queixo simplesmente caiu. As paredes eram completamente cobertas com pinturas e desenhos para o projeto. Eles eram magníficos. Alguns foram feitos por Obie (como Ray viria a conhecê-lo), e algumas por Byron Crabbe, Mario Larrinaga e Gleason Duncan. Foi de tirar o fôlego”.
Eventualmente, Ray criou coragem para mostrar a Obie algumas de suas próprias criações que ele tinha trazido com ele. Nervoso, ele mostrou o Estegossauro, o que tinha ganho o primeiro prêmio no LA County Museum, e entregou a Obie. Ray retoma a história: "Eu segurei minha respiração, Obie olhou para ela por alguns minutos e depois disse: 'As pernas tem aparência enrugada de salsichas, você tem que colocar mais o caráter e estudar anatomia para saber onde os músculos entram em contato com o osso ". E eu percebi que ele estava certo. 
Aquele dia foi um ponto decisivo na concepção de Ray na execução fluida de um modelo, porque ele sabia que o modelo tinha que ser anatomicamente correto. 

 

 

Arte e Produção de filmes 


Ele descobriu, enquanto visitava Obie na MGM que os desenhos ajudavam a visualizar o que estava na imaginação. Sem que as pessoas de pouco entendimento de visualização não seriam capazes de entender o que estava falando. Então Ray aprendeu que isso era tão importante quanto uma parte do processo de animação, da animação em si. 
Ray tinha sido orientado por Obie que uma enorme influência sobre ele tinha sido o artista e ilustrador Gustave Doré (1832-1883), e usou seu estilo de áreas claras e escuras em King Kong. Junto com Knight, Doré se tornaria uma grande influência no trabalho de Ray.
Ainda mais tarde, Ray percebeu que ele precisava saber sobre técnicas de filmagem então ele decidiu freqüentar aulas à noite na Universidade do Sul da Califórnia, onde estudou uma série de disciplinas, incluindo a edição de arte, direção e fotografia.
Ao mesmo tempo, ele foi aos poucos aprendendo a mover seus modelos, como o que parecia incutir-lhes a vida, dando-lhes caráter ou uma personalidade. Não foi o suficiente para que uma criatura simplesmente fosse aparecer em uma cena, a sua construção e a composição eram necessários, e refletiam o seu corpo e caráter.
Ao longo dos próximos anos, ele também iria fazer viagens freqüentes para o zoológico para estudar os animais e ver como eles reagiam. 

 

 

George Pal e Puppetoons (1940-42)


Quando Ray deixou a escola, ele começou a procurar trabalho como animador. Foi quando Ray viu um anúncio no jornal pedindo para técnicos de cinema e animação com experiência para trabalhar em curtas-metragens, ele correu para um estúdio em McCadden Place e Santa Monica Boulevard, em Hollywood. Lá ele foi entrevistado por um produtor de cinema húngaro que escapou dos nazistas e se estabeleceu em Hollywood, seu nome era George Pal (1908-1980). 
Pal foi produzir uma série chamada Madcap models, que mais tarde viriam a se tornar Puppetoons . 
Ray foi um dos animadores, o primeiro, a aderir o trabalho de Pal.
Os modelos de Pal eram elegantes e muito europeu, eram feitos de madeira e cada movimento exigia um conjunto separado de pernas e cabeças.
Como a produção se tornou mais bem sucedida à equipe se tornou maior e por um tempo muito curto, talvez apenas dez dias, Ray e Pal foram apensados ​​por Obie. Como Ray, Obie não gostou do processo de animação de modelos pré-planejada para a esquerda e saiu. 
Depois de trabalhar em treze Puppetoons Ray também saiu. Ele não queria ter saído porque ele gostava de Pal, mas tinha a sensação de que poderia fazer melhor. 

Exército (1942-1945)
Quando a guerra foi declarada Ray projetou e fotografou um curta-metragem chamado How to Bridge a Gorge (1941) para ilustrar como o movimento de animação stop motion pode ser usada em filmes de propaganda ou orientação. 
Quando ele se alistou no Exército em 1942 ele foi designado para o sinal do Exército e enviado para Fort MacArthur para o treinamento. Antes de sua entrada no Exército, Ray mostrou a um dos professores Como fazer uma ponte no desfiladeiro  e que, por sua vez mostrou para o cineasta Frank Capra e Anatole Litvak. Impressionados, Ray foi designado para o Serviço Especial de Divisão, a cargo de Frank Capra (1897-1991), que tinha sido promovido a um coronel.
Nisso , Ray trabalhou em muitos filmes famosos de propaganda dos EUA, incluindo o Why We Fight série para a War Office dos EUA. 
Durante esse tempo, Ray fez o seu segundo filme animado chamado Guadalcanal , mas novamente e aparentemente ninguém reconheceu o potencial da sua animação.
Ray foi dispensado em Fort Dix, Nova Jersey, em 07 de fevereiro de 1946. Ele deixou o Exército como uma terceira classe de técnicos com uma medalha de Sv americano, medalha de Boa Conduta, Segunda Guerra Mundial, medalha de Vitória e um certificado como um exímio atirador (Ray nunca tinha manuseado uma arma antes de sua entrada no Exército). 
Seus papéis de quitação observou, 'Servido com o corpo de sinal, na capacidade de um operador de câmera, e fazer filmes para a Marinha Exército Screen Magazine e para os filmes de orientação. Fiz alguns trabalhos com 3 dimensões e animações usadas em mapas elaborados nos filmes de orientação. Dirigiu as atividades de quatro assistentes”.     
 

Histórias de Mamãe Ganso (1946)


Ray resolveu que iria fazer seus próprios filmes, mesmo que não fossem característicos. Usando uma Kodachrome stock colorida 16 mm  que ele havia adquirido, e com a ajuda de seu pai e sua mãe, ele filmou uma série de canções de ninar, que incluiu Little Miss Muffet , Old Mother HubbardThe Queen of Hearts e Humpty Dumpty . 
Ele usou modelos armatured (armadura). As armaduras bola, juntas esféricas feitas por seu pai com base em desenhos de Ray, e estavam vestidos em trajes minúsculos feitos por sua mãe. Cada um tinha uma série de cabeças de substituição, com expressões extremas e ele iria mudando a partir de uma cabeça para outra para simular reações. 
Quando ele tinha terminado todas essas histórias sob o título Histórias da Mãe Ganso (1946), distribuiu nas escolas com grande sucesso. 

Mighty Joe Young (1949)


Logo após concluir Histórias da Mamãe Ganso, Ray foi contatado por Obie. Pois Merian C. Cooper (1893-1973) estava planejando outro filme com um macaco gigante a ser chamado de Sr. Joseph Young, da África, e Obie queria Ray para trabalhar com ele. Era como um sonho literalmente. Para trabalhar em uma outra imagem do macaco com as mesmas pessoas que fizeram o King Kong. Que melhor oportunidade para um jovem animador em ascensão?
Ray trabalhou com Obie em toda pré-produção, ajudando com a apresentação de obras de arte de Obie e Cooper e não só, mas também para a roteirista Ruth Rose (1896-1978) e o diretor Ernest B. Schoedsack (1893-1979).
Embora Obie ocupou-se com projetos, planejamento e instalações, Ray animou a maioria das cenas (cerca de 90% de todo o quadro) com o colega animador Pete Peterson (? - 1962) o restante da animação. 
Obie fez algumas seqüências de animação, os cowboy e a seqüência do orfanato, mas diferente do que parecia para Ray, Obie é que tinha perdido a paixão pela animação. Ele estava contente em deixar que os outros fizessem e ele viu Ray e Pete de fato, como protegidos dignos.
Ray deu ao seu modelo de animação Joe, o nome de Jennifer depois de ver Jennifer Jones em Duel in the Sun (1946). "Foi pelas mãos", disse Ray.  
Apenas uma pessoa o parabenizou por seu trabalho na animação, e esse foi o diretor John Ford. Um dia depois de ver a seqüência da jaula do leão, Ford veio até Ray e apertou sua mão, dizendo que achava que a seqüência era magnífica.
O filme custou um total de US $ 2, 285, 575.14. A quantidade fenomenal para a época, porque outras despesas gerais foram adicionadas ao orçamento final. 
Por Mighty Joe Young, Obie foi o destinatário, e em nome da produção, o filme ganhou o prêmio de Melhores efeitos especiais da Academia Americana em 1950 e a cerimônia de premiação foi orgulhosamente acompanhada por Ray. Esse Oscar ficou no salão de Obie até o dia em que ele morreu. 
 

Valley of the Mist (1950)


O filme nunca foi feito. Embora Ray tivesse trabalhado com Obie sobre o projeto há algum tempo. 
Ray fez três grandes desenhos de um Pterodátilo sendo amarrado pelos nativos, um Alossauro (a estrela da proposta do projeto) atacado por um Triceratops e o mesmo Alossauro matando o Triceratops e sendo atacado por nativos. Ray nunca mostrou os desenhos a Obie por medo de que ele não fosse gostar deles.

Guerra dos Mundos (1949-1950)


Haviam outros projetos fracassados de Obie antes.
Ray: "infelizmente, percebi que ele tinha de seguir seu próprio caminho. Ele queria fazer seu próprio filme.”.
Primeiro ele projetou toda uma seqüência de desenhos e storyboards para uma adaptação de HG Wells, A Guerra dos Mundos . Ele apresentou para vários produtores de Hollywood, incluindo George Pal, mas ninguém estava interessado. Pensou-se que a ficção científica estava fora de moda. 
Ele também executa um desenho para outro projeto de Wells, Alimento dos Deuses , mas porque ninguém podia ver o valor de um filme de ficção científica, ele desistiu da idéia ao mesmo tempo, como Guerra dos Mundos . 
 

Os Contos de Fadas (1950-2002)
Ray retornou para curtas-metragens com uma adaptação de "Chapeuzinho Vermelho", que ele chamou de A História de Little Red Riding Hood (1950). Usando os mesmos métodos que ele usou com Histórias de Mamãe Ganso, o filme foi um sucesso com as escolas e assim Ray decidiu fazer o que desde então se tornou conhecido como a Série Conto de Fadas, apesar do fato de que nem todos foram contos de fadas. A série incluiu A História de João e Maria (1951), A História de Rapunzel (1952) e A História do Rei Midas (1953), o último dos quais foi concluída após o seu primeiro longa-metragem do projeto. 
Em 1952 ele começou, mas nunca terminou uma adaptação de A Tartaruga e a Lebre, que foi finalmente concluído cinquenta anos mais tarde, em 2001 / 2. É muito provável que fique como a mais longa produção da história do cinema. 


The Beast from 20,000 Fathoms (1952)
No final de 1951 foi oferecido a Ray o seu primeiro longa-metragem de produção que foi originalmente intitulado The Monster From Under the Sea , mas ficou famoso como The Beast From 20,000 Fathoms .
A empresa foi a Mutual Films e foi dirigido por Jack Dietz, que Ray dizia que parecia Edward G. Robinson até mesmo o charuto.
Ray retoma a história: "Aparentemente, ele não tinha certeza de como visualizar o elemento principal da foto, a criatura, e não sabia se ele deveria ser um homem em uma roupa de borracha ou de um jacaré vestido. Liguei para Dietz e ele veio para minha casa no dia seguinte para ver os meus modelos e desenhos, e as seções vista sobre Evolução e Mighty Joe Young . Depois que ele tinha visto o que eu tinha para oferecer, eu então entusiasmado com as vantagens de animação tridimensional, lhe disse que tudo e qualquer coisa que ele quisesse poderia ser feito no processo. Eu segurei minha respiração ". Felizmente Dietz e o resto da equipe de produção deu sua aprovação para o uso de stop-motion.
Este foi o primeiro filme que usou uma técnica de tela dividida para os modelos serem inseridos no live-action. Mais tarde, a técnica ficou conhecida como Dynamation .
O filme foi um marco na história do cinema e não só lançou uma série de filmes de monstro semelhantes, mas também da série de filmes Godzilla. 
A besta, ou o Rhedossauro como era chamado, era um dinossauro ficcional e alguns dizem que as duas primeiras letras - RH - denotam para o homem que o criou. Mas Ray nega.
  

Charles H. Schneer (1920 - 2009)


Por acaso um jovem produtor da Columbia Pictures com o nome de Charles H. Schneer, que trabalhou na unidade de Sam Katzman. Entrou em contato com Ray através de um amigo em comum, e ele relatou sua história de um polvo gigante que ataca São Francisco. Ray não tinha certeza se queria trabalhar em uma outra produção de característica de monstro, mas retirou-se para pensar nisso. Ele cedeu quando ele pensou em demolir a ponte Golden Gate, embora em miniatura, e concordou em fazer todos os efeitos e animação.
A relação entre Ray e Charles iria durar bem mais de 25 anos e mais de doze filmes de fantasia.

 

It Came From Beneath the Sea (1955)


O modelo do polvo tem apenas seis tentáculos devido às limitações de orçamento, e Para disfarçar este fato Ray projetou as seqüências de animação para que o modelo ficasse sempre parcialmente na água em qualquer momento. 
Ele também fez três grandes tentáculos articulados para close-up's. Essas três armaduras (parcialmente coberto de algodão e latex) foram recentemente redescobertos na garagem de Ray junto com o submarino em miniatura e o torpedo. 
A ação ao vivo não foi tudo muito fácil. Charles teve o cuidado de buscar a aprovação dos Padres da Cidade de San Francisco para filmar sobre a ponte Golden Gate, mas eles recusaram-se na premissa de que um filme desses poderia incentivar a falta de confiança do público na ponte. Charles definiu planos para filmar clandestinamente. Assim teve a contratação de uma van de padeiros, eles filmaram as cenas que se deslocam da ponte a partir de um buraco na lateral, e eles tinham um único cinegrafista a pé através da ponte. Felizmente não houve reclamações quando a filme foi lançado. Ray lembra: "Depois de tudo isso, a cidade, embora nunca oficialmente perdoou Charles, mas não fez qualquer tentativa de proibir o filme, e acabou mostrando para o público a capacidade da cidade de São Francisco sem nenhum dano aparente a qualquer um incluindo a ponte" .   
 

O Mundo Animal (1956)


O Mundo Animal lhe permitiu animar os dinossauros de novo e o mais importante, trabalhar ao lado de Obie.
a animação Foi toda de mesa e não envolveu nenhuma ação ao vivo e os dinossauros foram construídos na oficina da Warner Bros e infelizmente não foram bons. Como diria Ray, faltava definição e estava realmente muito à procura de plástico. 
Ao todo, Ray e Obie gastaram cerca de oito semanas na animação real, o curto espaço de tempo foi o que Ray passou em qualquer trabalho de animação anterior. 
Infelizmente esta foi à última vez que Ray iria trabalhar com Obie, embora ao longo dos anos, ele nunca perdeu contato com ele ou sua esposa Darlyne. 

 

 

Terra vs Discos Voadores (1956)


Charles tinha o habito de recortar as histórias de jornais e em meados dos anos cinquenta, havia uma onda de avistamentos de discos voadores. Charles pensou que este fenômeno seria uma boa cideia para um filme e assim a Terra Vs os discos voadores foi o resultado. 
O design dos discos foi baseado no que a maioria das pessoas esperavam ver. A forma de disco padrão, mas Ray acrescentou um baixo movimento que contou também com flautas, de modo que as pessoas pudessem vê-lo em movimento.
Os vários tamanhos dos discos (são sete no total) foram feitas a partir de alumínio pelo pai de Ray e, em seguida, anodizado dando-lhes um acabamento mate, para que não refletisse a luz. 
Ray nunca gostou das roupas de látex exóticas utilizadas no filme apesar de terem sido baseados em seus desenhos.
Em vez de desenhar storyboards para toda a ação, Ray usou fotografias locais e executando esboços sobre eles, e então montado para os storyboards.
Os conjuntos de miniaturas do Capitólio e os edifícios do Supremo Tribunal custaram US $ 1500 cada, e o Monumento a Washington custou apenas US $ 500. Compare os custos com os orçamentos de hoje. 

 

20 Milhões de Milhas da Terra (1957) 


Como Ray queria ver a Itália, ele mudou a localização de uma história, que ele havia escrito com Charlotte Knight, que foi chamado de O Ciclope, e mudou de Chicago para a Itália. Ele acabou por ser intitulado 20 Milhões de Milhas da Terra.
Charles queria que o filme fosse a cores, mas Ray insistiu que deveria ser preto e branco porque a Kodak tinha acabado de apresentar uma fotografia de 35mm que eliminaram o problema de grãos quando a imagem de projeção traseira é re-fotografado. Ray obteve o seu desejo, mas este era para ser a última foto que fez em preto e branco.
Ray projetou e construiu uma armação de vinte polegadas de altura, e parcialmente uma armação menor do modelo do Ymir. 
O Ymir não existe mais como era, pois foi canibalizado para fazer outras criaturas subseqüentes.
O foguete foi baseado em uma combinação de um foguete V2 nazista e de projetos da NASA.
A ação ao vivo foi gravada em Sperlonga, na costa Italiana, em Roma, na Galeria Borghese, no Coliseu, em torno do rio Tibre e do Fórum Romano.
A eclosão do Ymir do "ovo" foi talvez um dos momentos mais tocantes em qualquer um dos filmes de Ray. 
Pois a jovem criatura está em seu ponto mais vulnerável neste momento.
O 'sangue' visto saindo de um elefante no final da luta com o Ymir é feito de sangue de teatro, chamada Kensington Gore, e glicerina. A glicerina ajuda a retardar o 'sangue' para fins de animação.
20 Milhões de Milhas da Terra foi uma homenagem de Ray a Willis O'Brien em King Kong

The 7th Voyage of Sinbad (1958) (No Brasil Simbad e a Princesa)


Como em 20 Milhões de Milhas da Terra, foi Ray que surgiu com a idéia de usar as Mil e Uma Noites como veículo para a animação stop-motion dimensional. Ele escreveu um resumo dos primeiros passos que ele chamou de Sinbad the Sailor. Ele também tinha desenhos chaves executados para ela, incluindo a luta com o esqueleto sobre a escada em espiral feitos em 1953, quatro anos antes dele entrar em produção.
O título final, The 7th Voyage of Sinbad foi idéia de Ray. O número sete tem uma qualidade mística.
Era para ter tido mais cinco seqüências de cenas no filme, mas foram descartados. São as cenas em que Sinbad e a Princesa Parisa são perseguidos por ratos gigantes criados pelo maligno Sokurah , mas pelo fato de Charles não gostar de ratos e nem de cobras, a cena ficou de fora. 
As outras cenas foram Simbad e seus homens sendo atacados por morcegos demônios, uma luta entre dois Cyclops, mulheres com cauda de sereia e uma serpente gigante que ataca os marinheiros em uma árvore. Esta foi novamente descartada porque Charles se opôs.
Charles tinha investido nas mãos de Ray um milhão de dólares.
Este foi o primeiro filme de Ray a cores e lhe causou muitas dores de cabeça por causa do problema da projeção traseira de grãos.
Este foi também o primeiro filme de Ray e Charles usando locais na Espanha.
Todos os mates de viagem foram feitas no Rank Film Laboratories em Denham na Inglaterra.
O navio de Sinbad era na verdade uma réplica da Santa Maria de Cristóvão Colombo.
A seqüência do temporal foi filmada no porto de Barcelona e durante as filmagens Kerwin Mathews, que interpretou Simbad, foi levado muito doente com um problema estomacal depois de engolir um pouco da água lançada contra ele durante as filmagens.
A besta vista no filme tem na verdade apenas trinta centímetros de comprimento.
Apenas um modelo completo ainda existe do filme, o esqueleto, que foi reutilizado em Jasão e os Argonautas. Mas Ray não se lembra qual deles é dos sete. 
A armadura do Cyclops ainda existe, mas falta a parte inferior de uma das pernas. 
Foi por esse filme que Charles veio com o nome Dynamation . Sentado no seu Buick, enquanto esperava no trânsito notou a Dynaflow uma palavra no painel. Ele percebeu que a Dyna foi perfeito para o estilo da animação de Ray e assim a palavra se tornou um termo merchandising para dimensionar a animação de Ray.
O compositor Bernard Herrmann compôs a música para o filme e os filmes subsequentesm As Viagens de Gulliver , Ilha Misteriosa e Jasão e os Argonautas .
O filme custou um total de 650.000 dólares. 

As Viagens de Gulliver (1959)


Originalmente The 3 Worlds of Gulliver foi concebido como um veículo para Danny Kaye e era para ter sido um musical. 
O roteiro, livremente adaptado do romance de Jonathan Swift, já tinha sido escrito para Ray e Charles e adaptado para acomodar seqüências Dynamation, que incluiu um esquilo curioso e uma luta com um jacaré.
O restante do filme foi uma massa de efeitos criados por Ray, que incluiu a fotografia de perspectiva e mais de 300 máscaras.
No final do filme, Gulliver e Elizabeth chegam de volta na Inglaterra e quando eles perguntam onde estão, uma pessoa local lhes diz "Wapping by the Sea”. 
Não existe tal país, embora haja uma Wapping no Tamisa, em Londres.
Este foi o primeiro filme a ser feito inteiramente na Europa, com os efeitos sendo feitos no Reino Unido. 

 

 

A Ilha Misteriosa (1960)


Ao lado de HG Wells e claro, Ray Bradbury outro autor de estória de fantasia favorita de Ray era Júlio Verne. 
Ray criou uma série de criaturas que foram criados pelo Capitão Nemo, o herói de Verne de 20,000 Leagues Under the Sea . Eles incluiram um caranguejo gigante, abelhas gigantes e duas criaturas pré-históricas, o Phororhacos (um pássaro pré-histórico) e Cefalópodes Nautiloid (os tentáculos da criatura pré-histórica com uma concha grande).  
Inicialmente, era para ter um cão na trama, mas porque os cães ou quaisquer animais reais são imprevisíveis e o orçamento da produção foi pequena, o cão foi retirado do script.
Cenas que ficaram de fora foram a descoberta de ruínas da Atlântida, uma planta devoradora e uma escavadeira mecânica operada por Nemo.
O caranguejo foi comprado por Ray no Harrods Food Hall e enviado para o Museu de História Natural em Londres, para ser sacrificado sem dor. A armadura foi então projetada para caber dentro da casca do caranguejo. Foi fixado à mesa de animação através de fios e foi suportado em uma antena cinta com fios. 
Depois de Bernard Herrmann viu a seqüência do phororhacos ele brincou com o Ray dizendo que ele iria adaptar "Turkey in the Straw" como tema. 
Embora parecia haver três abelhas gigantes havia apenas uma. Ray utilizou máscaras para fazê-la parecer como se houvesse três.
  

Jasão e os Argonautas (1963)   
Esse geralmente é visto como o melhor filme de Ray. "Tudo parecia encaixar-se e trabalhar tão bem".
Ray começou a pensar em adaptar uma história de mitologia grega ou romana no início de 1950, mas ele começou a desenvolver idéias para esse recurso quando ele estava filmando a ação ao vivo para a Ilha Misteriosa .
Embora a apresentação na Itália, onde a maioria da ação ao vivo, foi fotografada, a produção teve problemas com um olivicultor que exigiu que Charles paga-se pela as azeitonas que as vans de produção tinham esmagado pelo lado da estrada. Também durante as filmagens de longa distância do navio de Jasão, o Argo, por engano, fotografou o Golden Hind, que estava sendo usado para um programa de televisão. Charles gritou para o navio, "pega o navio e saiam daqui".
A competição de lançamento do disco entre Hércules e Hilas foi animada.
Quando Talos a enorme estátua de bronze ganha vida, Ray teve como base do movimento da cabeça virando-se para a câmera a cena de um filme japonês em que uma mulher vira a cabeça para a câmera. 
Talos foi baseado no Colosso de Rodes. 
Ray teve que fazer os movimentos de Talos, e foi muito difícil e lento para transmitir a sensação de altura da estátua. Na realidade o modelo tem cerca de dezesseis centímetros de altura.
O ator escolhido para interpretar Tritão o deus do mar, foi escolhido porque tinha braços longos, que lhe permitiu segurar as 'rochas movediças e separando para a Argo passar.
A hidra de sete cabeças foi baseada em pinturas de vasos clássicos, que passou por muitas mudanças. Ray retoma a história: "Eu finalmente tive a idéia de torná-la "serpente" com uma cauda distintiva que termina em uma língua bifurcada da serpente. As sete cabeças foram concebidas para lembrar um pássaro como Dinossauros com bicos curvos e duas cristas ouvido como curva para trás, uma imagem que sugere um retorno aos "tempos pré-históricos.
A seqüência dos esqueletos no filme levou quatro meses e meio para fotografar as cenas de animação e toda a seqüência é executada por quatro minutos e 37 segundo. Estima-se que Ray tenha executado um total de 184.800 movimentos.
O filme foi um fracasso de bilheteria quando lançado pela primeira vez, mas hoje em dia se tornou um clássico dos grandes filmes de fantasia.
  

Os Primeiros Homens na Lua (1964)


Ray atenciosamente começou a fazer uma história de H.G.Wells.
único filme de Ray filmado em widescreen, neste caso, Panavision, e que lhe causou muitos problemas.
Depois de muito debate e reescrever, o roteirista Nigel Kneale surgiu com uma idéia na cabeça de uma história vitoriana com uma expedição à Lua moderna.
Porque pensei que a história precisava de algum interesse feminino que insistiu-se que os dois homens foram acompanhados por uma mulher, então o título deveria ler-se “Os Primeiros homens e uma mulher na Lua".
Como ator William Rushton foi incapaz de fazer as filmagens, o ator Peter Finch entrou em cena para interpretar o papel sem créditos do servidor writ.
Seqüências ausentes são uma galeria de incubação para o mooncalves de lagarta que inclui uma mariposa gigante e uma galeria de hibernação para os selenitas.
Originalmente o projeto para os Selenitas os mostrovam com um peito côncavo. 
Todos se lembram dos esqueletos de Simbad e a Princesa e de Jasão e os Argonautas, mas poucos se lembram do esqueleto de (emprestado de Jason), Martha Hyer na câmara de raios-x dos Selenitas.
A longa, escada que Cavor sobe para visitar o Grand Lunar foi influenciado pelo filme Ela (SHE) de 1935, quando vemos a rainha no topo de uma escada aparecer de uma parede de névoa.
Este foi o último filme em que Fred Harryhausen pai de Ray fez as armaduras. Ele morreu logo depois de mandá-las para Ray.
Frank Wells o filho de H.G.Wells visitou as filmagens da história dos primeiros homens na lua inspirada no livro de seu pai. 

 

 

Um milhão de anos antes de Cristo (One Million Years BC) 1966


Este filme marcante foi a primeira desde 1955 que não foi feito com Charles Schneer, mas foi feito para o Reino Unido com base na Hammer Film Productions.
Foi baseado em um filme de 1940, intitulada "One Million Years BC” sobre um homem das cavernas lutando contra criaturas pré-históricas. As criaturas feitas no primeiro filme não foram animadas, mas foram usados lagartos e filhotes de crocodilos com nadadeiras presas em suas costas e até mesmo um homem em uma roupa de borracha que interpretou o Alossauro jovem. Ray só poderia melhorar.
Os dinossauros no filme incluem uma tartaruga gigante, uma jovem Alossauro, os Pterodáctilos, um Triceratops, um Ceratossauro e um Brontossauro, que infelizmente só aparece no filme em uma cena breve.
O brontossauro foi planejado para ter sua própria seqüência em que ataca o povo da caverna nas suas habitações, mas a cena foi abandonada, pois poderia tornar o filme demasiadamente longo.
Este foi o único filme em que Ray utilizou criaturas reais (iguana e uma aranha) para complementar os dinossauros. 
Ray, mais uma vez usou fotografias do local e usou como esboço da ação para o seu storyboard. 
O Vale do Gwangi (The Valley of Gwangi 1969)
A história foi baseada em uma idéia e obras de arte feitas por Willis O´Brien, que começou a pré-produção em 1941 mas nunca foi realizado. o nome de Obie não aparece nos créditos, porque ele não foi creditado no roteiro original. Um descuido que Ray lamenta até hoje.
O filme foi originalmente chamado O Vale onde o Tempo Parou, e é o que Ray prefere chamar.
Ray sempre usou um "pau monstro" durante as filmagens de grandes criaturas para ajudar os atores "ver" o que não podiam ver. Em Gwangi ele usou um poste de madeira com um olho no topo para ajudar os atores durante a fotografia ao vivo.
Para a seqüência dos cowboys com laços no filme, Ray usou um jipe ​​com um monstro vara montado na parte traseira de um carro. Foi isso que os atores viram amarrado. Quando levou o filme em seu estúdio de animação, Ray colocou o modelo na frente do pau de monstro e fez a animação do modelo e suas cordas em miniatura para corresponder com as cordas de ação ao vivo.
O elefante que é visto no filme é um modelo. Originalmente Ray queria um elefante de verdade para a realização da luta com Gwangi mas quando o elefante chegou à Espanha, vindo da Inglaterra, era muito pequeno. 
  

A Nova Viagem de Simbad (The Golden Voyage of Sinbad) 1973


O Vale do Gwangi não foi um sucesso comercial. Charles decidiu voltar para a segurança de Sinbad e as Mil e Uma Noites.
Ray escreveu o esboço para as cenas iniciais e fez alguns desenhos chave, alguns anos antes. Essa história se tornaria o primeiro esboço de futuros filmes como A Nova Viagem de Simbad e Sinbad Contra o Olho do Tigre .
Entre as cenas que nunca foram fotografadas foi uma introdução que foi feita por Ray. O homúnculo na missão do malvado mago Koura, faz o seu caminho para o quarto do Visier no palácio e joga ácido no rosto do Visier. 
Outra seqüência que nunca foi filmada foi o Vale das Viboras, que foi novamente descartada porque Charles realmente não gosta de cobras.
Desde o 3 Worlds of Gulliver, Ray sempre quis criar um homúnculo, e ele conseguiu nesse filme. 
A pintura em vidro de Marabia foi pintado por Emilio Ruiz del Río.
O nascimento do homúnculo foi um retorno ao nascimento do Ymir em 20 Milhões de Milhas da Terra, só que era muito mais atraente e macio.
O navio de Simbad foi construído nos estúdios de Verona, na Espanha e fica a quilômetros do mar.
Por causa de suas crenças, o islamismo nunca teria tido uma carranca na proa de seus navios, e muito menos uma mulher, mas Ray queria ter uma figura animada para atrapalhar a missão de Sinbad, como havia feito com Talos em Jasão e os Argonautas. Ainda existem dois modelos armatured (armadura)da figura, um ajoelhado e outra em pé.
Havia três máscaras de ouro para Douglas Wilmer no filme. Ray ainda tem todos os três deles.
Orson Welles era para ter interpretado o Oráculo do conhecimento, mas porque ele tinha uma diferença de opinião sobre seus honorários com Charles, ele foi substituído por Robert Shaw. 
Shaw tinha algumas dificuldades com os dentes falsos. Ele descobriu ser muito difícil falar com eles porque ele continuava cuspindo-os para fora. Infelizmente quando eles foram removidos para fora vieram parte de seu próprio trabalho dental.
O famoso compósitor de filme Miklós Rózsa foi contratado para escrever a música para o filme, mas foi infeliz quando Charles cortou a orquestra em menos da metade.
Tal como acontece com um grande número de criaturas de Ray, o Centauro Ciclópico detém costas braços, o peito bem para frente e os braços para trás, (ver também o Ciclope). Esta postura é uma característica de Harryhausen. Quando perguntado sobre isso Ray disse: 'Foi a melhor maneira de manter os braços ocupados, que tornou mais fácil e teve o resultado de fazer uma criatura tão grande mais dramática.
  

Simbad Contra o Olho do Tigre (Sinbad and the Eye of the Tiger) 1977


Houve várias cenas que não foram incluídas incluindo uma luta a bordo do navio com uma criatura Worm e uma luta entre Trog e um Arsinoitherium (uma criatura que parecia um Rinoceronte com dois chifres enormes que Ray tinha visto pela primeira vez no ensaio feito para Criação (1930-1931), um projeto de O'Brien que foi desfeito, em que um Arsinoiitherium ataca marinheiros.
Também não teve uma seqüência que mostra como o Minaton foi montado com Shadowmen (como criaturas zombie) um trabalho semelhante ao feito no laboratório de Frankenstein.
A porta de entrada para Hiperbórea foi uma homenagem aos portões em King Kong.
Todas as cenas de ação ao vivo de neve foram filmadas na ilha de Malta em temperaturas superiores a 85 graus Fahrenheit.
Existem dois tipos de babuínos size e duas gaiolas feitas para a animação. 
O barco de Zenóbia quase afundou.
O látex sobre o modelo da morsa era tão espesso que não mantinha sua posição, de modo que Ray teve que cortar seções de distância para permitir a animação.  
O gelo que cobre o tigre na pirâmide era feito de papel celofane. 

Fúria de Titãs (Clash of the Titans) 1981


Havia a preocupação de fazer um filme sobre um personagem chamado Perseus pois o nome de Perseus poderia implicar a um homem afeminado.
O desenho chave original de Ray da Medusa em seu templo ostentava um sutiã, ou como coloca Ray, um tubo de boob. Isso foi pensado para ser uma criatura tímida e para o filme a Gorgona revelou tudo.  
Foi em grande parte através da influência do roteirista, Beverley Cross que um grande número de atores de renome, incluindo Maggie Smith, Lawrence Olivier e Claire Bloom, concordaram em participar da produção. 
Ray sempre diz: "Quem mais poderia ter interpretado Zeus, Olivier?
As cenas perto da Medusa que mostram sombras em seu rosto foram influenciadas pelas cenas de Joan Crawford em Mildred Pierce (1945).
Houve apenas um modelo armatured (armadura) da Medusa que foi usado para close-ups, assim como todos os outros.
O movimento que se vê da Medusa se arrastando usando seus braços foi influenciado por uma cena deTod Browning Freaks (1932). 
Ray Bradbury chama a seqüência da Medusa de, "A melhor coisa que Ray fotografou."
Pela primeira vez desde que fez Mighty Joe Young, Ray teve a ajuda de dois outros animadores no filme. Eles foram Jim Danforth que Ray se encontrou enquanto trabalhava em Simbad e a Princesa e Steve Archer.
Existem dois modelos principais do Kraken. O pequeno armatured e o tronco armatured grande, que foi usada apenas para uma tomada do Pegasus voando na sua frente. Há uma terceira, feita a partir do molde original, mas apenas de borracha dura. Isto foi usado para publicidade antes do filme ser lançado.
No roteiro original Perseus ia cortar a cabeça de Medusa fora jogando seu escudo, a moda Frisbee, mas Harry Hamlin que interpretou Perseus sugeriu que uma espada ficaria muito melhor do que um frisbee enorme. 

Projetos perdidos


Houve muitos projetos que se seguiram depois de Fúria de Titâs, mas nenhum se concretizou. Entre estes mais dois filmes de Simbad.
Simbad e as 7 Maravilhas do Mundo (1981 / 2) e Simbad em Marte (1982). Havia também um filme que deveria ter sido feito com Michael Winner chamado de Pessoas da Névoa (1983) [não confundir com Valley of the Mist], e uma outra aventura mitológica com Charles e Beverley Cross chamada Força dos troianos (1984). 

 

Prêmios


Ray foi homenageado com prêmios de todo o mundo. Seus filmes nunca foram nomeados para o Oscar ®, mas devido aos amigos e fãs, que incluiu Ray Bradbury e Arnold Kunert, ele recebeu um Oscar especial ®, o Gordon Sawyer Award, em 1992, apresentado a ele por Tom Hanks. Ele também foi homenageado com uma estrela no Hollywood Walk of Fame a causada da fama em 1993.
 

Aposentado ou não?


Ray se aposentou da animação tridimensional em 1984, embora tenha se entregado por vezes, para manter a mão dentro do stop-motion, em projetos como o documentário da televisão britânica, produzido por Tony Dalton, Trabalhando com Dinossauros (1999) e a conclusão de A Tartaruga e a Lebre , agora chamado de "A História da Tartaruga e a Lebre (2001 / 2).
Uma das citações de Ray é "É material bom, mas apodrece", que refere-se a carne de seus modelos. O látex de que seus modelos foram feitos, muitas vezes se deterioravam, e assim, ao longo dos anos seguintes, ele lançou uma série delas em bronze (a maioria pode ser visto em A arte de Ray Harryhausen ). 
Sua maior conquista nesse campo ocorreu em 2004. Em virtude das ligações Diana Harryhausen com o grande missionário e explorador David Livingstone, Ray desenhou e supervisionou a fundição em bronze de uma estátua do grande homem sendo atacado por um leão. A estátua pode ser vista na fundamentação do Centro David Livingston, em Blantyre, Larnarkshire na Escócia.    
O pai da animação stop-motion (e que ele chama Willis O'Brien de avô) agora vive em Londres com sua esposa Diana e leva um ávido interesse e entusiasmo na Fundação The Ray and Diana Harryhausen e como a sua extensa coleção de modelos, desenhos, fotografias e miniaturas serão preservadas e exibidas para o futuro.
Ray Harryhausen é talvez uma das personalidades mais importantes que já surgiu no cinema.
E graças à imaginação de um garotinho incentivado pelo pai e pela mãe plantou a semente dos efeitos especiais que se desenvolve até os dias de hoje.
Seus filmes trazem sua marca registrada e seu trabalho é único. E graças a esse mundo de magia e fantasia que Ray nos apresentou e nos encantou, o cinema tomou um rumo no meio do entretenimento e fez brotar a imaginação de uma nova geração de diretores e animadores que acreditaram que o impossível é possível, e que através de muita imaginação foram criando e desenvolvendo cada vez mais filmes e efeitos especiais incríveis e sofisticados, fazendo um cinema cheio de ficção, magia e encantamento muito mais realista e convincente.
E tudo isso graças ao talento e a determinação de Ray que se dedicou por quase toda sua vida no desenvolvimento de novas técnicas de animações e filmagens.
Dedicação e criatividade igual à dele na animação stop motion infelizmente é muito rara de se ver nos dias de hoje.  



Nenhum comentário:

Postar um comentário